fbpx

Três novos estudos científicos revelam que a reutilização de embalagens deve ser considerada caso-a-caso, pois nem sempre a reutilização é a melhor opção em termos ambientais.

Os estudos revelam que, por vezes, as embalagens reutilizáveis ​​têm um impacto mais forte no ambiente do que o cartão ondulado reciclável. É vital considerar a funcionalidade da embalagem, a sustentabilidade e o desempenho geral da perspectiva do ciclo de vida. Os três estudos divulgados pela FEFCO, Associação Europeia de Embalagem de Cartão Ondulado, foram conduzidos por uma consultora independente, a Ramboll, e um instituto de pesquisa, o VTT.

cartao plastico

A avaliação comparativa do ciclo de vida compara o impacto ambiental de diversos tipos de embalagem. As principais descobertas mostram que o cartão ondulado é mais benéfico em 10 das 15 categorias de impacto, incluindo alterações climáticas, uso total de recursos, incluindo fósseis, minerais e metais.

A análise do ponto de equilíbrio mostra que as caixas de plástico precisariam atingir um mínimo de 63 reutilizações para superar as caixas de cartão ondulado na categoria de impacto das alterações climáticas.

De acordo com a Análise do Ciclo de Vida (LCA), a taxa média de reutilização das caixas plásticas reutilizáveis ​​é de 24 reutilizações, abaixo do ponto de equilíbrio. A análise hot spot da cadeia logística do e-commerce avalia soluções de cartão ondulado versus o plástico reutilizável. O estudo identificou 51 pontos críticos, ou estágios do ciclo de vida, que respondem por uma proporção significativa do impacto ambiental das embalagens na cadeia logística.

Os 3 principais pontos do estudo, resumidos pela FEFCO são:

  • O número real de utilizações para soluções de uso múltiplo é o parâmetro mais importante, pois os dados oficiais da UE não existem e os dados disponíveis nem sempre são transparentes;

  • Os parâmetros logísticos (por exemplo, armazenamento, distâncias de transporte, capacidade de carregamento, classificação) são classificados em segundo lugar, indicando que as distâncias de transporte têm um grande impacto principalmente nas emissões e continuarão a influenciar o ciclo de vida do produto;
  • A percentagem de material reciclado usado na produção é outro ponto-chave, pois os dados de conteúdo reciclado de embalagens reutilizáveis ​​são limitados. Pelo contrário, está bem estabelecido que as embalagens de cartão ondulado contêm em média 89% de conteúdo reciclado.

Eleni Despotou, Diretora Geral da FEFCO, comentou: “é fundamental considerar que expressar uma clara preferência por embalagens reutilizáveis ​​versus recicláveis ​​é uma abordagem tacanha. As propostas legislativas devem garantir que qualquer embalagem colocada no mercado da UE seja ‘adequada à finalidade’, amiga do ambiente, cumpra a sua funcionalidade e evite o desperdício desnecessário, que é o objetivo final dos decisores políticos.”

 O relatório, elaborado pelo instituto de pesquisa VTT, oferece uma visão crítica sobre a reciclagem e reutilização de embalagens na Economia Circular Europeia. As conclusões do estudo, resumidas pela FEFCO, são as seguintes:

  • O conceito de embalagem “adequada à finalidade” deve ser central na proposta da Comissão da Diretiva Embalagens e Resíduos de Embalagens (PPWD), pois contribui para alcançar a circularidade e a neutralidade climática, reduzindo os resíduos;

  • As soluções de embalagens de cartão ondulado ​​podem fornecer soluções apropriadas dependendo dos requisitos de embalagem e devem ser consideradas pela Comissão Europeia ao propor legislação;

  • A hierarquia de resíduos deve ser melhorada com base no pensamento do ciclo de vida, pois as embalagens reutilizáveis ​​nem sempre são a solução mais sustentável.
  • Os impactos ambientais podem simplesmente mudar, e não desaparecer, como resultado da ampliação dos sistemas de reutilização;

  • Não existe uma melhor escolha óbvia ao selecionar entre soluções de embalagens recicláveis ​​e reutilizáveis, pois os resultados variam significativamente caso a caso. Isso demonstra uma clara necessidade de evitar uma política de tamanho único e focar em soluções adequadas à finalidade;

  • A mudança para sistemas reutilizáveis ​​envolve investimentos económicos iniciais substanciais, criando novos custos relacionados à lavagem, reparo, etc., ao mesmo tempo em que sobrecarrega o meio ambiente, sem garantia de sucesso.