fbpx

Cerca de 70 empresas e instituições estão a apelar a um tratado ambicioso, abrangente e juridicamente vinculativo sobre a poluição por plásticos antes da Assembleia do Ambiente (UNEA) 5.2, das Nações Unidas, onde se irá negociar a política acerca da matéria.

Amcor, Berry, The Coca-Cola Company, Mondelēz, Mondi, Nestlé, Procter & Gamble, PepsiCo, TOMRA e Unilever são algumas das envolvidas.

UNEA5 2

Reconhecendo que o plástico tem impactos sociais, económicos e ambientais "significativos", o comunicado refere que a questão da poluição por plásticos deve ser abordada na sua origem, para travar a fuga de plástico para a natureza e para fazer progressos na resolução da perda de biodiversidade e da crise climática.

"Por conseguinte, exortamos os Estados-Membros da ONU a criarem um Comité Intergovernamental de Negociação na UNEA 5.2 para desenvolverem um instrumento ambicioso e juridicamente vinculativo para a poluição por plásticos”, refere o documento.

O comunicado sublinha a necessidade de políticas a montante e a jusante, com o objetivo de reduzir a produção de plástico virgem e a utilização de recursos fósseis, referindo ser importante manter os plásticos "na economia e fora do ambiente". Diz ser necessária uma "estrutura de governação robusta" que garanta o cumprimento por parte dos Estados-Membros da ONU, com parâmetros padronizados, e que será necessário apoiar diferentes países e indústrias que necessitam de assistência para fazer a transição necessária.

O novo comité deverá dar “orientação para alinhar os governos, empresas e sociedade civil por detrás de uma compreensão comum das causas da poluição por plásticos e de uma abordagem partilhada para as abordar. Para empresas e investidores, isto cria condições equitativas e impede um patchwork de soluções desligadas, ao mesmo tempo que estabelece as condições adequadas para fazer uma economia circular funcionar na prática e em escala”.

O UNEA 5.2 terá lugar online e em Nairobi entre 28 de fevereiro e 2 de março de 2022.