fbpx

As associações industriais europeias de alumínio, Eurofer, ACEA, Eurometaux, industriAll Europe, ECCA, ESTAL, IMA, EUWA, EuroAlliages, CLEPA e Metals Packaging Europe emitiram um apelo urgente contra o risco iminente de encerramentos de produção a nível europeu, em consequência de uma escassez crítica no fornecimento de magnésio pela China.

O magnésio é um material de ligação fundamental e amplamente utilizado na indústria de metais. Sem medidas urgentes da União Europeia, a questão, se não resolvida, ameaça milhares de empresas em toda a Europa, todas as suas cadeias de abastecimento e os milhões de empregos que deles dependem, dizem as associações.

embalagem metal

Devido ao esforço do Governo chinês para limitar o consumo doméstico de energia, o fornecimento de magnésio foi interrompido ou reduzido drasticamente desde setembro de 2021, resultando numa crise internacional de fornecimento sem precedentes. Com a União Europeia quase totalmente dependente da China (a 95%) pelas suas necessidades de fornecimento de magnésio, a produção europeia de alumínio, ferro e aço e a utilização de indústrias em conjunto com os seus fornecedores de matérias-primas são particularmente impactados, com ramificações de longo alcance em todo o continente europeu em cadeias de valor como do automóvel, da construção e da embalagem.

O atual défice de oferta chinesa já resultou em preços recorde e distorções a nível mundial na oferta. As restantes importações de magnésio estão a negociar a preços de cerca de $10.000 a 14.000$/milhão de tonelada métrica (mton), acima dos $2.000/mton que se registavam no início deste ano, tornando quase impossível para a Europa produzir materiais que contém magnésio.

Nesse sentido, as indústrias apelam conjuntamente à União Europeia e aos governos nacionais para que trabalhem urgentemente para ações imediatas com as suas contrapartes chinesas para mitigar a questão da escassez crítica a curto prazo, bem como os efeitos a longo prazo da oferta nas indústrias europeias.