fbpx

A Empa – Materials Science and Technology, e o Lidl, na Suíça, codesenvolveram um revestimento protetor de celulose para frutas e legumes. O projeto pode reduzir a embalagem e prevenir o desperdício alimentar, dizem.

celulose revestimento Empa Lidl© Empa / LidlAs embalagens de plástico nas mercearias protegem frutas e legumes da deterioração, mas também criam quantidades significativas de resíduos.  O novo revestimento é feito a partir de cascas espremidas de frutas e vegetais. A ideia é transformar esse produto, que é um resíduo em instalações de biogás ou diretamente no campo, em celulose fibrilhada.

O revestimento é pulverizado sobre o fruto ou aplicado ao mergulhar a fruta ou o vegetal numa solução. É também fácil de lavar, contudo é inofensivo para o consumidor e pode ser consumido sem prejuízo. O potencial dos revestimentos de celulose ainda não é explorado, dizem os investigadores, que falam na possibilidade de adicionar aditivos como vitaminas ou antioxidantes.

Nos testes, o prazo de validade das bananas, por exemplo, foi prolongado por mais de uma semana. Isto reduz significativamente o desperdício alimentar. "O grande objetivo é que tais bio revestimentos possam substituir muitas embalagens à base de petróleo no futuro", diz Gustav Nyström, chefe do laboratório em Empa.

A camada de celulose desenvolvida na Empa será testada e melhorada nos próximos dois anos, juntamente com o Lidl Suíça e um fornecedor de frutas e vegetais. O projeto é apoiado pela Innosuisse, a agência suíça de inovação. O objetivo é que a nova tecnologia seja usada em todas as 150 lojas Lidl em toda a Suíça, após o teste final.